Pré Candidata

Pré Candidata
Deputada Estadual

Com Dilma na chapa, aliados querem abandonar Pimentel

Com Dilma na chapa, aliados querem abandonar Pimentel

Possível presença da petista como nome do PT ao Senado desagradou a partidos da base do governador

Juntos. Pimentel e Dilma participaram da transferência de título da ex-presidente para Minas Gerais

Josué Alencar anunciou filiação ao PR no último dia do prazo

PUBLICADO EM 10/04/18 - 03h00

Fransciny Alves

Dirigentes de partidos que estavam com conversas adiantadas com o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), sentiram-se traídos por ele ao descobrirem, por meio da imprensa, que a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) passou seu domicílio eleitoral para Belo Horizonte com o intuito de disputar o Senado pelo Estado nas eleições. A avaliação de articuladores de MDB, PCdoB, Podemos e PHS, que se encontraram nesta segunda-feira (9) em um almoço, foi que agora vai ser difícil apoiar o projeto de reeleição do petista.

Interlocutores contaram que essa movimentação foi articulada pela cúpula nacional da legenda, sem ao menos consultar as possíveis siglas aliadas. A chapa majoritária é formada por quatro vagas: governador, vice e duas de senadores. Com a chegada de Dilma, o PT ficaria com dois postos, restando aos apoiadores a cadeira de vice e a outra vaga para o Senado. Dirigentes partidários classificaram o gesto como uma “infelicidade absurda”, já que a petista ocuparia um espaço que seria perdido nas negociações.

Diante desse cenário, é dito que, se a candidatura dela se confirmar, o PT vai estar em um “voo solo descontrolado”. A análise é a de que é “pretensão excessiva” uma presidente impedida devido a pedaladas fiscais integrar a coligação de um governador que tem como calcanhar de aquiles questões financeiras – repasses atrasados a municípios, escalonamento dos salários do funcionalismo, entre outras.

“O PT não consultou ninguém. MDB e PCdoB se sentiram traídos, e quem também não gostou foram os demais partidos que conversavam com Pimentel. O apoio está cada vez mais difícil para o atual governador, que não abre possibilidade para qualquer plano B. Se Dilma ficar, o resto deve sair. Se ela quiser, que vá disputar para deputada estadual ou federal. Se já era difícil conciliar alianças, com a Dilma ficou impossível”, disse uma fonte.

Coadjuvante. Conforme apurou a reportagem, uma das lideranças políticas que ficaram mais irritadas com essa articulação foi o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Adalclever Lopes (MDB). Ele estava sendo cotado para concorrer a senador ou a vice-governador. No entanto, essa segunda possibilidade perdeu força, uma vez que o empresário Josué Alencar saiu do MDB para o PR, com a possibilidade de ser vice de Pimentel – por mais que nacionalmente os planos para ele sejam outros.

O emedebista teria ficado bastante incomodado pelo fato de perder espaço na chapa e afastou-se ainda mais petista. Com a chegada de Dilma Rousseff, ele e o MDB viraram plano B na chapa. E, como dificilmente dois nomes do mesmo espectro conseguiriam se eleger para o Senado, mesmo que Adalclever ocupasse uma das duas vagas disponíveis, o atual presidente da ALMG teria muito mais trabalho com Dilma na corrida eleitoral.

Nessa situação, a tese de candidatura própria ganhou ainda mais força nas últimas horas no MDB mineiro. Adalclever e o vice-governador e presidente do partido em Minas, Antônio Andrade, são os nomes ventilados internamente para essa empreitada.

A possibilidade de candidatura própria ao governo é apoiada pela base da sigla, como prefeitos, vereadores e delegados. Por isso, acredita-se que esse plano pode ser vitorioso na convenção partidária. Para emedebistas, essa hipótese ganhará mais força se o presidente Michel Temer for tentar a reeleição, já que ele vai precisar de palanque em Minas. Contudo, deputados estaduais tentam reaproximar Adalclever e Pimentel, uma vez que a coligação com petistas é mais vantajosa para que eles se reelejam.

Também ficaram insatisfeitos com a chegada de Dilma a deputada federal Jô Moraes (PCdoB), que articula seu nome ao Senado, e o prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil, que negocia o nome do jornalista Carlos Viana para senador.

Encontro

Rumos. Uma reunião com caciques do MDB de Minas está marcada para quarta-feira (11). Eles vão fazer um balanço da janela de troca partidária e decidir como a agremiação vai se posicionar nas eleições.

 

Josué pode ser vice do PT ao Planalto ou até liderar chapa

A mudança de partido do empresário Josué Alencar, saindo do MDB para migrar para o PR, pegou de surpresa lideranças emedebistas e caciques de Minas Gerais. A filiação dele foi articulada em nível federal, pelo ex-deputado federal Valdemar Costa Neto com a cúpula do PT nacional. Nos bastidores, comenta-se que os planos para o empresário é que, assim como seu pai, José Alencar, ela seja candidato a vice-presidente, nas eleições deste ano, numa chapa petista.

As articulações do ex-deputado, que é quem dá as cartas no PR, foram no sentido de que Josué Alencar seja o nome a vice se o PT conseguir um quadro forte para a corrida eleitoral. Com a prisão do ex-presidente Lula, na última semana, e a redução das chances de ele ser candidato à Presidência da República, o mais cotado para o pleito é o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.

Contudo, se o PT não conseguir viabilizar uma candidatura de peso, com um representante que tenha chances reais de vencer a eleição, o filho do ex-vice-presidente poderá entrar na disputa para concorrer à cadeira do Palácio do Planalto.

Proximidade. Como a reportagem de O TEMPO já mostrou, Josué Alencar é muito próximo de Lula e sempre o consulta para tomar decisões importantes, especialmente na política. A amizade foi herdada do pai. Por isso, se o ex-presidente pedir para que ele seja candidato ao Planalto, o entendimento de pessoas próximas de Josué é que o empresário possa aceitar o convite em gesto de respeito ao político.

Assim que a filiação do filho do ex-vice-presidente ao PR foi anunciada, na última sexta-feira, a hipótese levantada por políticos mineiros foi a de que ele disputaria a preferência do eleitorado mineiro como vice-governador, numa chapa encabeçada por Fernando Pimentel (PT). Essa possibilidade não é descartada se o nome de Josué Alencar não for viabilizado nacionalmente.

A saída do empresário do MDB, inclusive, pegou de surpresa lideranças da própria agremiação, como o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Adalclever Lopes. Ele utilizava o nome de Josué como moeda de troca nas negociações com Pimentel. Nas eleições de 2014, o empresário tentou, e não conseguiu uma vaga no Senado.

Compartilhar:
← Anterior Proxima  → Página inicial

Conheça a CPO

Siga no facebook

Siga no facebook
Clique

.

.

Seguidores

Google+ Blog da Renata

.

.

Popular Posts

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Pedofilia não é um crime, mas, sim, uma doença

Pedofilia não é um crime, mas, sim, uma doença Pra mim, Renata, é a coisa mais repugnante do mundo. E deveria ser julgado imediatamente. Nã...

Pesquisar este blog

Pages - Menu