Pré Candidata

Pré Candidata
Deputada Estadual

Contra 13º em quatro parcelas, servidores cogitam até greve

O anúncio da escala de pagamento do 13º salário não foi suficiente para pacificar a relação entre o governo de Minas e os servidores públicos. Os professores consideram a possibilidade de entrar em greve – o que poderá atrasar o início do período letivo – e outros sindicatos entraram com ações na Justiça para garantir o pagamento do benefício até janeiro. Associações que já haviam decidido judicializar a questão também vão manter os processos.
O único efeito positivo após a divulgação do calendário de pagamento do 13º em quatro parcelas, anunciado nessa quinta-feira pelo secretário de Governo, Odair Cunha, foi a suspensão da greve dos trabalhadores do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg). A presidente do Sindicato dos Servidores do Ipsemg, Maria Abadia de Souza, afirma, porém, que a medida não teve relação com o anúncio do cronograma e que a insatisfação com o governo permanece.
“A decisão por suspender a greve ocorreu para não penalizar o servidor duplamente. O Ipsemg presta atendimento aos trabalhadores do Estado e suspender esse serviço no momento em que eles já estão com os salários atrasados seria uma penalização dupla”, disse.
Maria informou que a categoria continua indignada com o tratamento diferenciado dado aos agentes de segurança pública, do Hemominas e da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig). Eles são os únicos que vão receber o 13º salário em duas parcelas. “As manifestações estão mantidas e entramos com uma ação na Justiça para garantir o nosso pagamento também em duas parcelas”, detalhou.
Já os professores afirmam que se o governo não abrir um diálogo para rever o cronograma de pagamento, será discutida a possibilidade de paralisações que poderão atrasar a volta às aulas, prevista para fevereiro. “Se o governo não alterar essa escala, começamos o ano em mobilização, inclusive com a possibilidade de uma greve”, avaliou a presidente do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE), Beatriz Cerqueira.
Ela questionou a forma como foi definida a escala, sem abertura para a apresentação de uma contraproposta dos trabalhadores, como a alternativa de priorizar o pagamento de quem ganha menos. “O governo não abriu nenhuma possibilidade de diálogo. O que questionamos é tratar os altos salários da mesma forma de quem recebe salário mínimo”, reclamou.
O Sind-UTE também entrou com uma ação na Justiça para receber o 13º na mesma escala dos agentes de segurança. Os outros sindicatos que decidiram garantir o pagamento por medidas judiciais foram o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público de Minas Gerais (SindPúblicos) e o Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual de Minas (SindFisco).
Antecipação.
Em meio ao impasse, o governador Fernando Pimentel (PT) anunciou ontem a antecipação do pagamento da terceira parcela dos salários de dezembro. Em vídeo postado em suas redes sociais, Pimentel afirmou que o pagamento foi possível graças a uma receita extraordinária, oriunda da quitação de uma dívida tributária por parte de uma empresa.  A terceira parcela estava prevista para cair no dia 28 e foi depositada ontem juntamente com a segunda. A medida beneficia, na prática, os servidores que ganham acima de R$ 6.000

Compartilhar:
← Anterior Proxima  → Página inicial

Siga no facebook

Siga no facebook
Clique

Siga no facebook

Siga no facebook
Cluque

SIGA NO FACEBOOK

.

.

Seguidores

Google+ Blog da Renata

.

.

Popular Posts

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Dia do Policial e do bombeiro Militar

A data escolhida remete ao dia 24 de junho de 1997, dia em que cabo Valério dos Santos Oliveira foi atingido, aos 36 anos, por bala perdida ...

Pesquisar este blog

Pages - Menu