Pré Candidata

Pré Candidata
Deputada Estadual

Baleado em roubo em SP, soldado perdeu um terço do cérebro

Marcelo Godoy, em São Paulo 
do Estadão Conteúdo

Marcelo Godoy, em São Paulo
do Estadão Conteúdo 10/12/2017 - 10h45

 Ouvir

 

0:00

O soldado Wagner Renato dos Santos viu o casal surgir do nada. Ainda tentou fechar a porta do carro, mas o homem já estava ao seu lado. "Aí, boy, se você tentar ir embora, a gente vai arrebentar você na bala." Era domingo, 5 de fevereiro de 2007. Instantes depois parou o Uno. Havia mais quatro bandidos. Fizeram uma meia-lua em torno de Santos. "Dá o dinheiro, dá o dinheiro", gritavam. "Não tenho", respondeu o soldado. "Tem que eu 'tô' ligado. Se eu revistar você e achar, eu vou te matar", disse um dos ladrões.

A cada dois dias, sete policiais feridos são afastados do trabalho no Estado de SP

Santos apanhou a chave do carro e os R$ 400 em um bolso. Entregou tudo com a carteira, os papéis do carro e documentos pessoais, como a identificação funcional. "Tem mais que eu sei. Põe a mão na cabeça, senão eu vou te arrebentar." Santos obedeceu, enquanto três dos bandidos voltavam para o Uno e outros entravam em seu carro. O ladrão apalpou, apalpou e só parou quando um dos comparsas chamou: "Ô, Joe, tira a mão do cara, deixa ele em paz, ele já deu tudo o que tem. 'Vamo' embora". No carro, um dos assaltantes vasculhou a carteira. "Fica a pé aí seu vacilão, seu otário", gritou a mulher do grupo. Foi quando acharam o documento de PM de Santos.

O desfecho foi rápido. "Ele é polícia!" E o primeiro disparo acertou a cabeça da vítima. O soldado caiu, sacou, revidou e com a perna tentou impedir os bandidos de abrirem a porta do carro. Choveu bala de todo lado. Sem perceber que fora atingido, o soldado atravessou a rua atrás de socorro. Os bandidos fugiram.

Alguns metros adiante, um homem apareceu em um portão. "Senhor, em nome de Jesus, chama a polícia para mim, sou policial." O homem respondeu: "Calma, filho, minha mulher já foi chamar a polícia, calma que você tomou quatro, cinco tiros na cabeça." Santos não acreditou e se olhou no retrovisor de um carro.

"Meu cérebro estava saindo para fora. Sentei atrás desse carro, e fiquei chorando. Meu osso da cabeça estava todo esfacelado." Levado a um hospital, foi operado duas vezes. Perdeu 33% da massa encefálica. Os médicos lhe davam poucas chances de sobreviver. Um dia, levantou e voltou a ver e falar. Depois disso ficou conhecido como Milagre. Afastado do serviço, acabou reformado.

Atropelado. Milagre não teve a sorte do sargento Wagner Leite da Silva, que foi atropelado por um caminhão em cima da ponte de acesso à Rodovia Dutra, na Marginal do Tietê. Em 14 de março de 2013, ele e o policial Edivanil Bispo dos Santos vigiavam o local quando ouviram um barulho. Era um caminhão biarticulado subindo o viaduto. Parecia descontrolado. Silva subiu na mureta da ponte. Bispo correu.

"O caminhão bateu no lado da viatura, que levantou do chão. Ela veio raspando a mureta e bateu na minha perna. Não acreditei que estava caindo e abri os braços: 'Meu Deus, estou caindo'. De repente, já estava no chão." Silva caiu de 17 metros de altura, com a espingarda nas costas, em cima de entulhos. O caminhão prosseguiu até colher Bispo, que também foi atirado do alto da ponte.

Silva quebrou três costelas, o ombro, o pulso, o fêmur esquerdo, deslocou a bacia e torceu duas vértebras da coluna. Conseguiu ficar em pé em janeiro de 2014. Fazia fisioterapia e hidroginástica. Em 2015, voltou para a corporação. Hoje, trabalha no 27.ª Batalhão, na zona sul. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhar:
← Anterior Proxima  → Página inicial

Conheça a CPO

Siga no facebook

Siga no facebook
Clique

.

.

Seguidores

Google+ Blog da Renata

.

.

Popular Posts

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog

Pages - Menu