PM são presos em operação contra jogos de azar

Grupo investigado controlava aproximadamente 100 lojas na capital e cidades da região metropolitana. Somente em maio faturou R$ 400 mil

Uma operação conjunta entre o Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Corregedoria da Polícia Militar terminou na prisão de oito pessoas envolvidas com uma organização criminosa do ramo de jogos de azar. Entre eles está um major e um sargento da PM. As investigações apontaram que eles passavam informações sigilosas sobre ações de repressão contra o crime e, até mesmo, atuava contra grupos adversários que também trabalhavam no mesmo ramo. O grupo controlava aproximadamente 100 lojas na capital e cidades da região metropolitana. Somente em maio faturou R$ 400 mil.

ma operação conjunta entre o Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Corregedoria da Polícia Militar terminou na prisão de oito pessoas envolvidas com uma organização criminosa do ramo de jogos de azar. Entre eles está um major e um sargento da PM. As investigações apontaram que eles passavam informações sigilosas sobre ações de repressão contra o crime e, até mesmo, atuava contra grupos adversários que também trabalhavam no mesmo ramo. O grupo controlava aproximadamente 100 lojas na capital e cidades da região metropolitana. Somente em maio faturou R$ 400 mil.

Entre junho e agosto, foram realizadas diversas ações para traçar o perfil da organização criminosa. E identificar os líderes, o local de atuação e as pessoas que trabalhavam no esquema. "Inclusive em buscas em um escritório de contabilidade da organização, em Betim, pudemos constatar que somente em maio a arrecadação foi de R$ 480 mil", contou a promotora. 

Com as informações coletadas na investigação, o Gaeco montou a operação "Camaleão" desencadeada nesta quarta-feira. Foram cumpridos oito mandados de prisão e 11 mandados de busca e apreensão. Além de BH, as ações aconteceram em Betim e Igarapé. "Na casa de um dos líderes, apreendemos R$ 200 mil e com ele R$ 17 mil. Em um escritório na capital mineira, mais R$ 14mil", disse a promotora. 

Participação dos PMs 

Entre os presos estão dois policiais militares. Segundo as investigações do Gaeco, eles passavam informações sigilosas a organização e tentavam tirar os 'adversários' do mercado. "Eles buscavam verificar quais as pessoas que agiam e atuavam na região, e desta forma ofereciam vantagens econômicas para avisar se houvesse algum tipo de operação ou para procurar saber quem estava combatendo os jogos de azar na região, para, inclusive, cooptar essas pessoas para o ramo dos jogos de azar", concluiu a promotora.

Fonte: www.em.com.br

Compartilhar:
← Anterior Proxima  → Página inicial

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

.

.

Seu voto em 2018 vai para:

Seguidores

Google+ Blog da Renata

.

.

Popular Posts

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog

Pages - Menu